English French German Spain Italian

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Comer fritura mais de uma vez na semana triplica risco de câncer de próstata

Homens que comem alimentos fritos mais de uma vez por semana têm até três vezes mais risco de câncer de próstata, de acordo com pesquisadores do Fred Hutchinson Cancer Research Center, nos EUA.
A pesquisa sugere que junk foods como batatas fritas, frango frito, peixe frito e donuts podem desempenhar um papel significativo na formação de formas mais agressivas da doença.
Embora estudos anteriores tenham sugerido que a má alimentação pode afetar as chances de um homem desenvolver câncer de próstata, este é o primeiro a indicar que os alimentos fritos representam um perigo tão grande.
Os pesquisadores analisaram dados de dois estudos, envolvendo um total de 1.549 homens diagnosticados com câncer de próstata e outros 1.492 homens da mesma idade e perfil que estavam com boa saúde.
Todos os participantes, que tinham idade entre 35 e 74 anos, completaram questionários detalhados sobre seus hábitos alimentares.
Os pesquisadores, então, fizeram previsões para outros fatores que poderiam influenciar as chances dos homens de desenvolver câncer de próstata, como o peso, a idade, se eles tinham uma história familiar da doença.
Os resultados, publicados na revista The Prostate, mostraram que comer alimentos fritos pelo menos uma vez na semana parece aumentar o risco de câncer de próstata entre 30 e 37% em comparação com os homens que afirmaram comer esses produtos menos do que uma vez por mês.
"Este é o primeiro estudo a examinar a associação entre a ingestão de alimentos fritos e o risco de câncer de próstata. A ligação parece estar limitada ao nível mais alto de consumo, definida neste estudo como mais do que uma vez por semana. Isto sugere que o consumo regular de alimentos fritos confere um risco particular para o desenvolvimento de câncer de próstata" , afirma a líder da pesquisa Janet Stanford.
A razão exata pela qual alimentos como batatas fritas e frango frito podem agravar o risco de câncer ainda não está clara.
Uma teoria é que, quando o óleo de cozinha é aquecido a temperaturas necessárias para a fritura, compostos potencialmente cancerígenos podem formar-se no alimento.
Um é chamadoa acrilamida, muitas vezes encontrado em batatas fritas. Outros incluem dois grupos de produtos químicos chamados aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que podem se formar na carne cozida a temperaturas elevadas.
Alimentos fritos também são muito ricos em compostos potencialmente prejudiciais chamados produtos finais da glicação avançada. Estes têm sido associados com inflamação e câncer, tal como a degradação de células no corpo.
Um peito de frango frito por 20 minutos contém nove vezes a quantidade destes materiais em comparação a um peito de frango cozido por uma hora.
Fonte: Isaude.net

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Teste de respiração detecta câncer colorretal com 75% de precisão

Cientistas da University Aldo Moro, na Itália, desenvolveram um teste que avalia a respiração do paciente para diagnosticar o câncer colorretal.
 
A pesquisa, publicada no British Journal of Surgery, sugere que a análise simples da respiração é capaz de detectar a doença com mais de 75% de precisão.
 
O tecido do câncer tem metabolismo diferente das células saudáveis normais e produz algumas substâncias que podem ser detectadas na respiração dos pacientes.
 
Os pesquisadores sugerem que a análise dos compostos orgânicos voláteis (COV) ligados ao câncer é uma nova fronteira no rastreio do câncer.
 
O líder do trabalho Donato F. Altomare e seus colegas coletaram ar exalado de 37 pacientes com câncer colorretal e 41 controles saudáveis, que foram testados para a presença de COV.
Compostos orgânicos voláteis de interesse foram identificados e selecionados, e os padrões de COV capazes de discriminar pacientes dos participantes controles.
 
Uma rede neural probabilística (PNN) foi usada para identificar o padrão de compostos orgânicos voláteis que melhor discriminava entre os dois grupos.
 
Os resultados mostraram que os pacientes com câncer colorretal tem um padrão seletivo diferente de COV comparados com controles saudáveis, com base na análise de 15 dos 58 compostos específicos em amostras de ar expirado.
 
A PNN neste estudo foi capaz de discriminar pacientes com câncer colorretal com uma precisão de mais de 75%.
 
"A técnica de amostragem da respiração é muito fácil e não invasiva, ainda que o método esteja em fase inicial de desenvolvimento. Os resultados do nosso estudo fornece apoio adicional para o valor do teste de respiração como uma ferramenta de triagem", afirma Altomare.
 
Os cientistas estão trabalhando também no desenvolvimento de testes de respiração para uma série de outras doenças, incluindo vários tipos de câncer, tuberculose e diabetes.
 
Fonte: Isaude.net

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Técnica antiga de massagem nos pés alivia sintomas de câncer

Estudo de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, fornece evidências fortes de que a reflexologia, tipo de massagem especializada nos pés praticada desde a idade dos faraós, pode ajudar pacientes com câncer a controlar seus sintomas e realizar tarefas diárias.
 
O estudo, divulgado no Oncology Nursing Forum, é o primeiro a testar a massagem como um complemento para o tratamento padrão do câncer.
 
A reflexologia se baseia na ideia de que estimular pontos específicos nos pés pode melhorar o funcionamento dos órgãos correspondentes, glândulas e outras partes do corpo.
 
O estudo envolveu 385 mulheres submetidas a quimioterapia ou terapia hormonal para estágio avançado de câncer de mama que se espalhou para além do seio.
 
As mulheres foram separadas aleatoriamente em três grupos: um que recebeu tratamento por um reflexologista certificado; outro que recebeu massagem nos pés que agiu como placebo; e um último grupo que recebeu apenas o tratamento médico padrão.
 
A líder da pesquisa Gwen Wyatt e seus colegas examinaram os participantes sobre os seus sintomas no início, após cinco semanas e após 11 semanas.
 
Eles descobriram que mulheres no grupo da reflexologia experimentaram muito menos falta de ar, sintoma comum em pacientes com câncer de mama. Elas também eram mais capazes de realizar as tarefas diárias, tais como subir um lance de escadas, vestir-se ou ir às compras em um supermercado.
Segundo Wyatt, a equipe ficou surpresa ao descobrir que os efeitos da reflexologia parecem ser principalmente físicos, e não psicológicos. "Nós não notamos a mudança esperada nos sintomas emocionais como ansiedade e depressão. As mudanças mais significativas foram documentadas nos sintomas físicos", afirma.
 
A equipe agora está pesquisando se massagens semelhantes à reflexologia, realizadas por amigos e familiares dos pacientes com câncer, ao invés de reflexologistas, podem ser opção de tratamento simples e barato.
 
Fonte: Isaude.net